Rua Silva Bueno, 599 - sala 1104 - Ipiranga - SP 13 3233-4587 11 3054-8383 13 96351-0335

Portos do Paraná já registram mais de 15 mil animais no seu entorno

Gostou? compartilhe!

Portos do Paraná já registram mais de 15 mil animais no seu entorno

Continue Lendo

O Programa de Monitoramento da Biota Aquática e Bioindicadores, desenvolvido pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), registrou mais de 15 mil indivíduos de aves, pertencentes a 100 diferentes espécies, e uma população fixa de mais de 350 indivíduos de botos-cinza, além de tartarugas, peixes e crustáceos.

O objetivo do monitoramento, feito durante quatro dias consecutivos e mensalmente, é avaliar abundância, a riqueza e a qualidade das espécies existentes no entorno dos Portos do Paraná em diferentes períodos do ano. O Programa observa a presença e o comportamento de animais de todos os portes, desde os maiores e mais conhecidos, como botos, aves e tartarugas, aos menores e microscópicos como plânctons e bentos.

O diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino, explica que algumas destas espécies são bioindicadores da qualidade da água e, se elas estão no local, é porque o ambiente está saudável. 

“Monitoramos de maneira inédita o estado de conservação da fauna e da flora nas baías de Paranaguá e Antonina. O trabalho da Appa é fiscalizado pelos órgãos ambientais e visa minimizar os impactos da atividade portuária sobre os ecossistemas existentes”, explica Dividino.

AVES - Entre as espécies de aves registradas, três são consideradas como ameaçadas de extinção, segundo a lista nacional de espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção, elaborada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). São elas: trinta-réis-real (Thalasseus maximus) (fotos em anexo) considerado como Em Perigo e trinta-réis-de-bico-vermelho (Sterna hirundinacea) e saíra-sapucaia (Tangara peruviana), ambas as espécies consideradas como Vulnerável.

Além disso, o trabalho de monitoramento da avifauna produzido pela Appa também avistou espécies como o guará (Eudocimus ruber), ave com recolonização recente no litoral do Paraná e o papagaio-da-cara-roxa (Amazona brasiliensis), espécie considerada “quase ameaçada”, segundo a lista do ICMBio.

As avaliações sobre a fauna local são integradas aos resultados de análise de qualidade das águas e sedimentos, e aos resultados dos demais programas ambientais. “A quantidade de habitantes da fauna local mostra que as condições de vida, de alimentação e reprodução, são favoráveis às espécies”, afirma o biólogo Fernando Prado, um dos responsáveis pelo programa ambiental de monitoramento.

MICRORGANISMOS - Em relação à presença dos organismos marinhos menos conhecido como fitoplâncton, zooplâncton, ictioplâncton e bentos - representados por algas, rotíferos, larvas de peixes e moluscos, e outros que servem como alimentos para animais maiores e cuja presença excessiva ou ausência pode significar que o ambiente sofreu alterações – mais de 300 espécies foram identificadas.

O monitoramento tem apontado bons resultados, sem expressivas alterações ao longo do tempo, o que contribui para a avaliação da qualidade do ambiente.

Nos costões rochosos das praias de Encantadas, na Ilha do Mel, e Ponta da Pita, em Antonina, há predominância das espécies de Rhodophyta (algas vermelhas) e Bivalvia (moluscos). Na Ilha das Cobras a dominância é das espécies de Mollusca e, na Ponta da Cruz, de Cirripedia (crustáceos) e Bivalvia. No costão de Gererês predominam espécies de Bivalvia.

O oceanógrafo André Cattani, também responsável na Appa pelo monitoramento das espécies marinhas na região dos portos do Paraná, explica que os bivalves são moluscos e se destacam como um grupo bioindicador muito diverso, formado por espécies que se adaptam bem às condições dos costões rochosos.

“Suas conchas lhes protegem e suas estratégias de fixação permitem que eles ocupem espaço na rocha, resistindo ao batimento das ondas. Se há algo de estranho com o comportamento dessas espécies, geralmente há alguma interferência ocorrendo no ambiente marinho onde elas vivem e não encontramos interferências nesta região”, diz Cattani.

Fonte: Appa

 



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Wohlers Cargo Whatsapp Wohlers Cargo