Rua Silva Bueno, 599 - sala 1104 - Ipiranga - SP 13 3233-4587 11 3054-8383 13 96351-0335

Logística vive escassez de talentos

Gostou? compartilhe!

Logística vive escassez de talentos

Continue Lendo

A empresa DHL, gigante da área de logística, realizou pesquisa com mais de 350 profissionais da cadeia de suprimentos e operações logísticas de cinco regiões do mundo e identificou que todos enfrentam déficit de talentos no setor. Segundo o estudo, a demanda excede a oferta na proporção de 6:1, sendo que alguns afirmam que a proporção pode chegar a 9:1.

Os organizadores do estudo avaliam que mudanças nos requisitos de competências estão entre as justificativas, pois o funcionário ideal deve ter conhecimentos operacionais e habilidade analítica.

Para 58% das empresas é difícil encontrar profissional com esse perfil. Além disso, o talento do futuro também deverá se destacar em termos de liderança, pensamento estratégico, inovação e capacidade tecnológica de alto nível.

Vice-presidente de RH da DHL Supply Chain Brasil, Eduardo Batista não considera o resultado uma surpresa, porque a falta de mão de obra qualificada para o segmento é um problema recorrente. “Em relação ao Brasil, nos últimos 15 anos vivemos um período de crescimento que acentuou as dificuldades, deixando a área de logística sob pressão.”

Ao mesmo tempo, ele afirma que nos últimos dois anos a desaceleração da economia favoreceu o segmento. “Hoje, conseguimos achar alguns profissionais no mercado que não encontrávamos há cinco anos, por conta do momento do País.”

Segundo ele, aí está o grande desafio. “Não podemos nos acomodar, porque não há dúvida de que o País vai retomar o crescimento e se nos acomodarmos nesse momento de baixa, teremos surpresas no médio prazo.”

O estudo também aponta que os trabalhos na cadeia de logística não proporcionam empolgação e que essa indústria ainda luta contra a impressão de que outros setores são mais prestigiados e têm mais oportunidades.

Batista afirma que a visão se deve a um contexto histórico, já que há poucos anos a logística era uma área de apoio e entregar era uma etapa sem grande importância.

“A boa notícia é que isso está mudando. As companhias perceberam que boa parte de sua vantagem competitiva está na cadeia de suprimentos, seja fazendo uma compra bem feita ou pensando na entrega. Com o desenvolvimento tecnológico e o surgimento do e-commerce, as pessoas começaram a receber os produtos em casa e a logística foi valorizada.”

Segundo ele, a cadeia de suprimentos passou a ter um peso muito maior e virou o centro do negócio. “Hoje, o segmento é um elo chave do negócio, além de ser uma grande oportunidade de crescimento para as companhias, porque a logística pode significar o sucesso ou o fracasso da organização.”

A pesquisa também identificou que os talentos do segmento não acompanham a evolução dos requisitos profissionais, que passam por constantes mudanças decorrentes da evolução tecnológica.

Isso, no entanto, não ocorre na VLI Logística, empresa que opera interligando ferrovias, terminais e portos. “Ao longo do tempo, aprendemos que a saída é selecionar os empregados pelo perfil comportamental. A formação técnica suprimos internamente. Acreditamos e investimos nos programas de portas de entrada, como estágio para nível técnico e superior, jovem aprendiz, trainee operacional e trainee superior, com investimentos bem robustos em treinamento”, diz o gerente geral de recursos humanos, Ederson Almeida.

Segundo ele, a área de educação corporativa da VLI planeja o desenvolvimento dos empregados atrelados às necessidades do negócio, aquisição de novas tecnologias e aumento de produtividade. “Dessa forma, identificamos os treinamentos internos necessários que são desenvolvidos pelo nosso Centro de Especialização e Desenvolvimento (CED), além de treinamentos externos.”

O engenheiro Jésus Jonatan Santos, de 31 anos, diz que na VLI o ambiente é propício para que os profissionais continuem buscando desenvolvimento técnico dentro e fora do Brasil.

“Em 2014, quando assumi o cargo de supervisor, tive a oportunidade de realizar benchmarking (avaliação comparativa para incorporar os melhores desempenhos de outras companhias e aperfeiçoa os seus próprios métodos). “Durante 15 dias visitei ferrovias americanas e empresas que fabricam locomotivas e componentes, bem como as que fazem manutenção. Foi extremamente gratificante. Voltei com muita vontade de colocar várias ideias em prática”, ressalta.

O engenheiro diz que repassou o conhecimento adquirido à equipe de 16 pessoas. “Depois disso, quatro funcionários da minha área já foram aos EUA participar de congressos e fazer benchmarking para observar processos mais específicos, pois na minha viagem conheci o segmento como um topo.”

Segundo ele, com base no que foi observado eles construíram, em parceria com um fabricante nacional, o primeiro vagão articulado de bitola elétrica feito no País. “Também desenvolvemos um pit stop para troca de rodas de vagões que pode ocorrer logo após descarregar as mercadorias no porto. Antes, essa troca levava alguns dias. O aprendizado não foi só de processos, mas também de tecnologia, melhorando muito nossa produtividade.”

Santos conta que entrou na empresa como estagiário e até então, não conhecia o mercado ferroviário. “Quando comecei a trabalhar na VLI, me apaixonei pelo mundo ferroviário. Hoje, minha área é responsável por definir a estratégia de manutenção de 24 mil vagões.”

Coordenadora das áreas de logística e comércio exterior do Senac, Naiana Guimarães Souza e Silva Campos afirma que a vem sofrendo muitas mudanças em velocidade acelerada.

“Podemos destacar a automatização da cadeia logística, sendo que no Brasil, algumas empresas já utilizam tecnologia de ponta nos processos. O profissional da área precisa estar em sintonia com as principais inovações do segmento.”

Professor de logística do Centro Universitário Eniac, Centro Paula Souza e Fatec Mauá, Alexandre Guimarães também considera que há grande interesse pelo curso e por atualização na área. “Em média, 70% do corpo discente retorna em busca de atualização e aprimoramento profissional.”

Carla considera que houve mudança na preocupação destes profissionais em relação à busca de atualização constante, justamente porque antes a logística era considerada uma área operacional e hoje, tem se tornado cada vez mais estratégica para empresas que buscam melhorar os serviços prestados, fidelizar clientes e reduzir custos.

Guimarães diz que o ‘apagão profissional’ representa gargalo importante para o mercado atual que precisa crescer e ficar mais competitivo perante o mercado internacional. “Investir no desenvolvimento de talentos é uma forma de reverter esse cenário e um ótimo meio de crescimento tanto para a empresa como para o profissional”, avalia.

A coordenadora tem a percepção de que muitas pessoas desconhecem ou têm dúvidas sobre a área de logística e sua relevância, assim como quais são os setores que fazem parte desta cadeia, onde os profissionais atuam e sobre quais são os processos envolvidos.

“O estudo Guia Salarial 2016, elaborado pela Robert Ralf, aponta que nos cargos de gestão há expectativa de aumento nas médias salariais em índices que variam de 3% a 6,9%. Logo, podemos considerar que a logística está sendo cada vez mais valorizada e considerada como uma área estratégica”, afirma.

O professor acredita que muitas companhias já enxergam a logística como uma estratégia competitiva bastante eficaz. “Essas organizações planejam e coordenam suas ações gerenciais de forma integrada, avaliando todo o processo, desde o fornecimento de suprimentos até ter a certeza de que os clientes externos e internos tiveram suas necessidades e expectativas atendidas pelo produto ou serviço entregue.”

Carla lembra que a área de logística também foi muito afetada pela crise. “Principalmente o setor de transporte. Porém, o mercado para este profissional está, gradativamente, sendo aquecido e a procura por mão de obra qualificada e diferenciada tem aumentado.”

Segundo ela, as companhias começam a oferecer salários e benefícios mais atrativos. “Elas também estão investindo na formação e atualização de seus colaboradores. Vale destacar que a formação acadêmica influência cada vez mais na remuneração deste profissional, que deve estar alinhado aos avanços tecnológicos e às necessidades de mercado, que exige o desenvolvimento de soluções logísticas integradas e de alto desempenho”, afirma.

Fonte: Estadão



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Wohlers Cargo Whatsapp Wohlers Cargo