Rua Silva Bueno, 599 - sala 1104 - Ipiranga - SP 13 3233-4587 13 3054-8383 11 96351-0335

Expansão da capacidade operacional do Arco Norte pode trazer economia para regiões produtoras

Gostou? compartilhe!

Expansão da capacidade operacional do Arco Norte pode trazer economia para regiões produtoras

Continue Lendo

De acordo com os cálculos do consultor em infraestrutura e logística da CNA (Confederação Nacional da Pecuária e Agricultura do Brasil), Luiz Antônio Fayet, seriam necessários entre 18 e 20 anos, para sanar o déficit portuário no Arco Norte.Fayet, que já falou sobre o assunto, disse que é preciso ter condições logísticas adequadas para as novas fronteiras, “o deslocamento da porteira até um porto de embarque será reduzido entre 500 e 1 mil quilômetros de percursos terrestres”.

Com a expansão da capacidade operacional do Arco Norte, de Porto Velho (RO) à Salvador/Ilhéus (BA), por exemplo, haveria uma economia entre US$ 47 e US$ 60 por tonelada de grão, a depender da região produtora. Só em Mato Grosso, o impacto estimado é de US$ 1,2 bilhão por ano.

Segundo ele, se “o Governo não atrapalhar, o Brasil será o maior exportador do mundo em 2020”. Para isso, no entanto, é preciso melhorar não apenas os portos, mas a malha ferroviária, as hidrovias e as rodovias.

Um trabalho realizado pela CNA junto a Aprosoja/MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado do Mato Grosso) – analisou a estimativa de perda potencial de renda da cadeia produtiva na safra de 2014.
Considerando o município de Sorriso (MT), como base média, a análise mostrou que os custos logísticos nas exportações de 28 milhões/t nas rotas Santos – Paranaguá chegavam a US$ 126/t e na rota Miritituba – Belém a US$ 80/t. Um prejuízo de US$ 1,2 bi ao ano.

Na opinião de Fayet a conta é simples: “estamos vivendo um apagão logístico já que temos uma logística ineficiente que não se adequa as nossas necessidades”. Ainda segundo o consultor, o grande déficit está no arco norte. “Nós tivemos um apagão e é tanto para os granéis agrícolas como para as cargas conteinerizadas. Esse apagão é quantitativo e de custos. Essa foi a grande lesão que aconteceu entre a intenção da presidente da república e o que aconteceu nas bases. É um prejuízo brutal para a economia brasileira”, apontou.

As limitações portuárias no Norte do Brasil geram perdas ao redor de US$ 4 bilhões por ano para o agronegócio apenas com transporte. Um estudo da Câmara de Infraestrutura e Logística do Ministério da Agricultura estima que entre 60 milhões e 70 milhões de toneladas de soja e milho terão de rodar mil quilômetros a mais, saindo do Centro-Norte em direção aos portos do Sul e Sudeste, para serem exportados. Na prática, isso significa mais do que perdas com frete: traz impactos de congestionamento nas estradas e nos portos, sobrecarregando Santos e Paranaguá (PR) – as principais portas de saída do País.

Fonte: Guia Marítimo



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Wohlers Cargo Whatsapp Wohlers Cargo