Rua Silva Bueno, 599 - sala 1104 - Ipiranga - SP 13 3233-4587 13 3054-8383 11 96351-0335

Competitividade depende de tudo

Gostou? compartilhe!

Competitividade depende de tudo

Continue Lendo

Implementar reformas estruturais, reconfigurar pastas, novas garantias de investimentos, infraestrutura etc., alguns dos assuntos necessários para garantir que o Brasil se torne mais competitivo no comércio global. Temas discutidos na 35ª edição do Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex 2016), organizado pela AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), o encontro abordou temas como a nova política de comércio exterior e as ações para ampliar a competitividade de produtos brasileiros na exportação.

De acordo com o presidente da AEB, José Augusto de Castro, uma vez que o câmbio não é uma variável controlável, “só resta ao Brasil se concentrar na variável custo para elevar o comércio exterior, alçado a força motriz de sua recuperação econômica”. Para Castro, o custo Brasil ainda é muito elevado, encarecendo as exportações brasileiras entre 30 e 35%. O terceiro painel teve como tema “Ações para Ampliar a Competitividade na Exportação”, reunindo o presidente da GE do Brasil e do Fórum de Competitividade das Exportações da CNI,

Nesse ponto para Gilberto Peralta, presidente da GE do Brasil, as exportações de manufaturados voltaram ao nível de três anos atrás, e por isso “é bom ver o Governo com foco no comércio exterior”. Apesar de elogiar o “tremendo avanço” obtido com o Portal do Comércio Exterior, que reduziu o tempo de liberação de mercadorias nas alfândegas, ele salientou que “ainda é necessário maior celeridade”, e reclamou da recente instituição de uma taxa de escaneamento de containers, “bem como do fato de que os exportadores precisarem ir de guichê em guichê para pagar taxas”, sendo necessário a instituição de um guichê único.

Sem esquecer da infraestrutura como fator primordial para redução de custos e assim elevar a competitividade das exportações, o diretor geral da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários), Adalberto Tokarski, ressaltou os projetos de terminais portuários já aprovados pela agência reguladora que significam investimentos de US$ 25 bilhões nos próximos anos “e que o maior problema de logística no momento está na falta de locais para armazenamento, principalmente para os produtos agrícolas”.

O professor do núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende, disse que o quadro da infraestrutura do país é preocupante, sem que os diversos modais de transporte proporcionem alguma competitividade aos produtos brasileiros. “A posição do Brasil é pior do que qualquer outro país dos Brics. O Brasil é o único que não está entre os 40 melhores países em eficiência logística, ocupando hoje a 86ª posição no ranking mundial”, disse.

Balança

O ministro Marcos Jorge de Lima disse esperar que a balança comercial brasileira encerre o ano com superávit de US$ 45 bilhões, o maior desde 1989. Marcos Lima disse que o mercado externo é fundamental para a política industrial e informou que o Programa Brasil Mais Produtivo, lançado em setembro passado para atender 3 mil empresas industriais de pequeno e médio portes em todo o Brasil, já chegou a 153 delas, conseguindo aumentar em até 56% a produtividade nos processos produtivos.

Na avaliação do presidente da AEB, o país precisa de reformas tributária, trabalhista e previdenciária, e de elevar os investimentos em infraestrutura, principalmente na área portuária, para se tornar competitivo. Sobretudo no atual momento, em que as importações vêm crescendo o dobro das exportações.

Castro assinalou que o Brasil exporta 40% de manufaturados e 60% de produtos primários, precisando rezar para que a China continue comprando nossas commodities, principalmente agora que o Brexit e a eleição de Donald Trump nos EUA devem reduzir o avanço do comércio mundial. Qualquer mudança depende de nós mesmos



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Wohlers Cargo Whatsapp Wohlers Cargo