Rua Silva Bueno, 599 - sala 1104 - Ipiranga - SP 13 3233-4587 11 3054-8383 13 96351-0335

Brasil deve diversificar mercados para acordos automotivos, diz especialista

Gostou? compartilhe!

Brasil deve diversificar mercados para acordos automotivos, diz especialista

Continue Lendo

Para Kramer, os interesses no setor automotivo entre Brasil e Argentina não são 100% convergentes, “por isso fluidez do comércio bilateral vem sendo afetada”.

Prestes a expirar, em junho desse ano, o acordo automotivo entre Brasil – Argentina tem sido um dos temas centrais nas reuniões da Comissão Bilateral entre os dois países. Os representantes dos governos tentam avançar nas negociações com um objetivo único: discutir temas referentes às relações comerciais. Porém sem consenso sobre o tema, ou seja, sem resultados para essa prorrogação, os governos decidiram convidar o setor privado para participar das discussões.

Na opinião da advogada especialista em comércio internacional do L.O. Baptista-SVMFA, Cynthia Kramer, os interesses no setor automotivo entre Brasil e Argentina não são 100% convergentes, por isso essa “fluidez” do comércio bilateral vem sendo afetada. “Parece-me que os países não estão em busca de cooperação, mas ambos estão buscando ser exportadores do produto acabado. Com objetivos concorrentes, e não complementares, dificilmente Brasil e Argentina conseguirão fluidez nesse comércio bilateral”.

Outro fator impactante para essa melhora e crescimento apontado pela especialista é o fator custo Brasil: tributário, logístico e trabalhista. “A baixa integração às cadeias globais de valor, ou seja, a indústria brasileira não importa os insumos mais baratos do mundo, para poder produzir e exportar com maior competitividade”.

Dividindo um histórico bastante antigo no setor automotivo, a especialista lembra o “Acordo de Complementação Econômica (ACE18)”, em 1988, onde os países assinaram um protocolo com vistas a regular as importações e exportações relativas a esse segmento da indústria. Além dele, ela ressalta ainda o “Acordo sobre a Política Automotiva Comum” firmado entre os dois países em 2001, “o qual vem sendo renovado (ou não) anualmente, e alterado conforme a CAC (Cláusula de Adaptação Competitiva) que se baseia em um coeficiente obtido a partir da relação entre os índices de exportação e importação”.

O que segundo ela na prática, beneficiou as exportações brasileiras, e nem tanto as exportações argentinas. “Motivo pelo qual a Argentina não tem se mostrado favorável à renovação do acordo nas bases até então vigentes”, ressaltou. O acordo hoje em vigor – o Brasil pode vender com isenção de impostos no máximo US$ 1,5 para cada US$ 1 importado da Argentina – vence no próximo dia 30 de junho.

O acordo automotivo entre os países, de acordo com o governo argentino, traz a ideia de elevar a integração produtiva, no entanto, o livre comércio por enquanto não está sendo levado em consideração, por conta da ociosidade da indústria. “A ideia da integração produtiva é adquirir maior competitividade”, explica.

De acordo com dados do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), 80% das exportações brasileiras de automóveis de passageiros têm por destino a Argentina. Aproximadamente 45% das importações de automóveis pelo Brasil tem por origem a Argentina.

O que segundo Kramer, para a Argentina, no quesito livre comércio nesse segmento não é interessante, “e somente poderia ter interesse no comércio de partes e peças para veículos (não no veículo acabado), pois nesse segmento, as importações da Argentina para o Brasil são em maior volume que as do Brasil para a Argentina”. Ainda de acordo com a especialista os efeitos positivos para o Brasil seriam a possibilidade de importar partes e peças sem pagar impostos, e exportar veículos acabados a um valor mais competitivo, e sem taxação, integrando-se um pouco mais na cadeia regional de valor para esse produto.

Soluções

Para Kramer é difícil saber, de fato, o que ajudaria o Brasil em termos de acordos. Mas ressalta que a contribuição do setor privado é essencial para que o governo consiga identificar quais os setores com capacidade exportadora para que possa firmar acordos que os beneficie.

Nesse sentido, o acordo firmado com o Peru (Clique Aqui) é visto pela especialista como uma estratégia saudável, entretanto ressalta: “Não adianta apenas nos unirmos a países com baixo potencial exportador e demanda limitada por nossos produtos. Temos que buscar mercados que precisam de nossos produtos e consigam exportar para o Brasil insumos necessários para nos integrarmos de maneira mais efetiva nas cadeias globais de valor”.

Porém, para ela ainda é prioritário estabelecer uma parceria efetiva, com divisão de trabalho, e benefícios para ambos os países. “O trabalho conjunto do setor privado e do governo é essencial para que os objetivos da indústria automobilística brasileira sejam alcançados. A assessoria especializada também é de fundamental importância para que essa relação seja eficiente”.

Mercosul

No quesito “papel do Mercosul”, a especialista aponta a necessidade de reestruturação do bloco. “Não adianta implementar nenhuma alternativa para agilizar o processo de tomada de decisões se os interesses das Partes Contratantes permanecerem conflitantes. Enquanto acordo que busca a integração regional, os países do Mercosul deveriam buscar funções cooperativas para impulsionar as economias de todos os Estados Partes”. Para ela, o Mercosul deveria ser visto como uma equipe: “cada um tem um papel distinto, essencial para o funcionamento geral. O problema é que, no Mercosul, sequer sabemos o papel de cada Estado Parte”.

Para o futuro automotivo, Kramer aponta que assim como outros setores, o automotivo também sofre bastante com a crise e aponta: “Não há demanda interna no território brasileiro”. E alerta que após a eleição de Macri, a Argentina, tem se mostrado mais aberta ao comércio exterior e tem conseguido, ainda que a passos lentos, sair da crise. “A saída para o Brasil parece estar mais distante e, nesses casos, investir no mercado externo, com a busca inclusive de novos mercados, seria uma alternativa”. Ela finaliza dizendo ainda que “o Brasil tem grande potencial para importação de insumos para os automóveis, e exportação do veículo acabado. Importante focar nos objetivos para que possam ser atingidos”.

Fonte: Guia Maritimo



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Wohlers Cargo Whatsapp Wohlers Cargo